domingo, 4 de dezembro de 2011

MODULO 03


Título: DIACRONIA E SINCRONIA DO LUGAR - ANALISANDO O MUSEU MUNA E UM TRABALHO DE ATELIE.
Autores:  Nayara Pinheiro  (nayarapin@hotmail.com)
              Michelle Moreira (michelle.design.ufu@gmail.com)
              Teresa Cidreiro (teresa_cidreiro@hotmail.com)  
Palavras-chave: diacronia, sintonia, museu, atelie, historia


Title: DIACHRONY AND SYNCHRONY OF THE PLACE - MUNA ANALYZING THE MUSEUM IS AWORKSHOP.
Autores:  Nayara Pinheiro  (nayarapin@hotmail.com)
              Michelle Moreira (michelle.design.ufu@gmail.com)
              Teresa Cidreiro (teresa_cidreiro@hotmail.com)
Keywords diachrony, tuning, museum, studio, history

1. Introdução
Esse artigo foi escrito para analisar o Museu MUNA e o Atelie da aluna Michelle Moreira, em relação a diacronia e a sincronia que o lugar possui.

2. Referencial teórico-conceitual
Foi usado como referencial teórico os estudos de Ferdinand de Saussure. Que nessa teoria, enfatizou uma visão sincrônica, um estudo descritivo da linguística em contraste à visão diacrônica do estudo da linguística histórica, estudo da mudança dos signos no eixo das sucessões históricas, a forma como o estudo das línguas era tradicionalmente realizado no século XIX. Com tal visão sincrônica, Saussure procurou entender a estrutura da linguagem como um sistema em funcionamento em um dado ponto do tempo.

3. Materiais e métodos
Com base nesse estudo foi percebido então que diacronia é o eixo em que acontecem as modificações da língua no decorrer da história. Por exemplo: “vossa mercê” transformou-se em “vosmicê” que transformou-se em “você”. E sincronia é o eixo em que se estabelecem as relações de significação entre os diversos significantes da língua. Esse eixo é estático até que uma alteração diacrônica provoque uma alteração no estado sincrônico da língua. O significante “você” tem sua significação estabelecida pela oposição aos outros significantes do português corrente (p. ex. “eu”, “ele”). 

4. Discussão e análise dos resultados





O MuNA se localiza em um lugar que foi construído na década 40. Com aspecto do antigo e apesar de sua fachada ser simples, o Museu Universitário de Arte possui em seu interior um aspecto moderno, funcional e com boa ventilação. Isso porque na sua reforma, se manteve seus aspectos originas, para se manter a historia do local, para que as pessoas lembrem sempre de como era a arquitetura antigamente, e não fique só nas fotos, principalmente por a atual instalação de a residência ser um museu, local onde se guarda a memória de uma cidade, de um país, de uma pessoa, preservando não só os "objetos" mais também sua arquitetura, mantendo a fachada do prédio, o telhado de madeira e as pedras do desnível do local. Apesar de ter mantido esses traços antigos, foi construiu um aspecto moderno no interior, para que não haja um contraste com as obras expostos.     

NÃO SE POSSUI FOTOS DO TRABALHO DO ATELIE DA ALUNA MICHELLE MOREIRA

Sobre o projeto desenvolvido pela aluna Michelle Moreira na disciplina Ateliê de Design de Interiores – História, ministrada pelo professor Juscelino Machado, no Curso Design de Interiores da Faculdade de Arquitetura, Urbanismo e Design da Universidade Federal de Uberlândia, em que a proposta foi desenvolver um projeto de interiores em uma casa Modernista da década de 50 para uma família da contemporaneidade, para isso foi necessário criar o perfil de cliente que valorizasse a história e a arquitetura da década de 50, esse cliente era um escritor de histórias de suspense, sua esposa era uma psicóloga especializada em terapia de casal e tinham uma filha adolescente que era estudante e bailarina. 
Havia duas linhas de projeto, uma em que se poderia fazer um projeto completamente modernista (de acordo com a época), e outra em que se poderia usar uma linguagem contemporânea, adequando-se ao período da construção. Para esse projeto foi utilizada a linguagem contemporânea.
O conceito utilizado foi baseado nas obras de suspense de Alfred Hitchcock, para isso foi apliado tons frios e sóbreos, uso de madeira e algumas peças de Design do período modernista.
Concluindo, esse projeto foi proposto para percebemos que as obras de períodos anteriores podem ser valorizadas na contemporaneidade, e é preciso preservar essas obras para que possamos perceber e identificar a evolução dos períodos passados.


5. Considerações finais
Portanto foi concluído através do estudo desse lugares que os dois eixos (sincrônico e diacrônico) são, portanto transversais. Seguindo pelo eixo diacrônico podemos percorrer a história de uma língua, encontrando os diversos estados sincrônicos que já se estabeleceram.

Nenhum comentário: